Consumo Racional

    PARA UM CONSUMO RACIONAL

    1. Recuse produtos derivados de espcies em extino

    2. Prefira produtos com embalagem reciclvel ou reciclada

    3. Evite produtos com embalagem no-biodegradvel

    4. Adote uma caneca durvel em vez de usar copos de plstico

    5. Recuse folhetos publicitrios que no sejam de seu interesse

    6. No pinte as paredes internas de sua casa com cores escuras, pois elas exigem lmpadas mais potentes

    7. Guarde seus alimentos em recipientes que possa voltar a utilizar (como embalagens de vidro e no em folha de alumnio ou filme plstico)

    8. Procure usar pilhas recarregveis e com baixo teor de mercrio

    9. Reduzir o uso dos recursos naturais como um todo, material ou energtico

    10. No deixar a luz acesa desnecessariamente

    11. Optar por espaos ventilados e arejados, evitando assim o uso do ar-condicionado. No ltimo caso, definir qual o melhor momento de us-lo

    12. Na hora das compras, procurar levar para casa produtos que tenham selos ambientais e priorizar empresas que tenham boas prticas produtivas.

    13. Se vai levar para casa produtos acondicionados em bandejas descartveis, priorizar a bandeja de amido de milho em detrimento da de isopor, cuja matria-prima o petrleo

    14. O ideal seria usar s sabo e gua para limpeza, mas aos que no abrem mo do detergente, indicado optar pelo adistringente.

    15. As embalagens de papel so mais indicadas que as de plstico

    16. Preferir biodiesel e etanol a combustveis derivados do petrleo




    ALIMENTOS E AGROTXICOS

    Agrotxicos so substncias que tm a finalidade de exterminar pragas ou doenas que ataquem as culturas agrcolas. Para diminuir a presena desses produtos em seus alimentos, lave bem legumes, verduras e frutas e deixe-os de molho de quinze a vinte minutos em uma soluo de gua e vinagre. Sempre que possvel, descasque legumes e frutas. Apesar de perder algumas vitaminas, voc ter uma alimentao mais segura. Evite legumes muito grandes, pois eles podem ser resultado de adubao excessiva e estimulantes artificiais. No Brasil, os produtos que mais recebem agrotxico so tomates, batata-inglesa, morango, uvas rubi e itlia e mamo papaya.



    AR

    No inverno, ocorre uma maior concentrao de poluentes e menor umidade no ar e por isso, as complicaes nas vias respiratrias tornam-se mais frequentes, j que ocorre o ressecamento das mucosas. Nesses dias, o melhor evitar fazer exerccios ao ar livre nos horrios mais quentes do dia, umidificar o ambiente com toalhas molhadas e permanecer na sombra ou em locais arborizados.

    LMPADAS

    As lmpadas que emitem gases, como as fluorescentes, contm substncias nocivas ao meio ambiente, tais como metais pesados. Enquanto esto inteiras, no oferecem risco, mas quando quebradas liberam mercrio na atmosfera podendo causar prejuzo sade dos seres humanos. Por isso, essas lmpadas devem ser descartadas em local seco, nas prprias caixas de embalagem original, protegidas contra eventuais choques que possam provocar sua ruptura. Em nenhuma hiptese as lmpadas devem ser quebradas para serem armazenadas. Tambm no se deve afundar os pinos de contato eltrico para dentro da lmpada para identificar aquelas que no servem mais, pois os orifcios das extremidades da lmpada permitem o vazamento do mercrio para o ambiente. Para manusear lmpadas quebradas, utilize luvas e botas plsticas. Quando houver quebra acidental de uma lmpada, o local deve ser bem limpo por aspirao. Os cacos devem ser coletados de forma a no ferir quem os manipula e colocados em embalagem estanque, com possibilidade de ser lacrada, a fim de evitar a contnua evaporao do mercrio liberado.

    PARA ECONOMIZAR GUA

    a) Ao fazer a barba por 5 minutos com a torneira meio aberta, pode-se chegar a gastar at 12 litros de gua (casa)/80 litros (apartamento). Muita gua seria economizada colocando um tampo na pia e fazendo do lavatrio um tanquinho. Assim o gasto de gua para fazer a barba cai para 2 litros.
    b) Se uma pessoa escova os dentes em cinco minutos com a torneira no muito aberta, gasta 12 litros de gua (casa)/80 litros (apartamento). No entanto, se molhar a escova e fechar a torneira, enquanto escova os dentes, e ainda, enxaguar a boca com um copo de gua, consegue Economizar mais de 11,5 litros de gua (casa)/79 litros (apartamento). Isso pode ser multiplicado pelo nmero de pessoas na casa e, depois, por 30 dias, para se ter uma idia da economia.
    c) Banho de ducha por 15 minutos, com o registro meio aberto, consome 135 litros (casa)/243 litros (apartamento). Se fechar o registro enquanto se ensaboa, diminuindo o tempo do banho para 5 minutos, o consumo cai para 45 litros (casa)/81 litros (apartamento). No caso de banho com chuveiro eltrico, tambm em 15 minutos, com o registro meio aberto, so gastos 45 litros (casa)/144 litros (apartamento). Com os mesmos cuidados que com a ducha, o consumo cai para 15 litros (casa)/48 litros (apartamento).
    d) Lavar roupa numa lavadora com capacidade para 5 quilos, gasta 135 litros (casa e apartamento). Melhor seria ter o mesmo procedimento que com a lavadora de louas: s usar a mquina quando estiver com sua capacidade total. J um tanque com a torneira meio aberta por 15 minutos pode chegar a gastar 279 litros (casa e apartamento). Por isso, o melhor deixar acumular roupa, colocar a gua no tanque para ensaboar, deixando a torneira fechada. Depois, colocar a gua para enxaguar. E que tal utilizar a gua usada do tanque para lavar o quintal?
    e) Um hbito regar jardins e plantas durante 10 minutos, e com isso chega-se a gastar 186 litros de gua. Para economizar, a rega durante o vero deve ser feita de manhzinha ou noite, o que reduz a perda por evaporao. No inverno, a rega pode ser feita dia sim, dia no, pela manh. Mangueira com esguicho-revlver tambm ajuda. Assim, pode-se chegar a uma economia de 96 litros de gua por dia.
    f) Muita gente gasta at 30 minutos lavando carro. Com uma mangueira, no muito aberta, gastam-se 216 litros de gua. Com a torneira aberta meia volta, 560 litros. Mas se lavar o carro apenas uma vez por ms, usando um balde de 10 litros para molhar e ensaboar e, tambm, balde para enxaguar, pode-se chegar a um consumo de apenas 40 litros.
    g) E tem ainda quem "varre"a calada usando o esguicho. Em 15 minutos, l se vo 279 litros de gua. Para qu tanta lavao, se pode usar a vassoura, simplesmente, com o mesmo efeito?

    LIXO GLOBAL, ATITUDE LOCAL
    O Brasil um pas onde existe uma das maiores riquezas ecolgicas do mundo. So inmeros ecossistemas, espcies de fauna e flora. Um pas rico em recursos naturais, mas pobre em cuidados de seus bens.
    A Bahia o estado brasileiro com maior extenso litornea, onde engloba diversos ecossistemas e paisagens belssimas. Mas infelizmente, nesse "paraso tropical" acontecem tambm inmeras crimes ambientais. Porm alm dos agentes poluidores internos, o litoral baiano tem convivido com uma contribuio internacional. So os "lixos ocenicos".
    Essa foi a descoberta feita pelo fotgrafo baiano Fabiano Prado Barretto. No ano de 2001, Fabiano decidiu percorrer as praias do litoral norte baiano, mais precisamente o trecho entre a Praia do Forte e o Stio do Conde, e encontrou algo que te surpreendeu: muito lixo. Apesar das praias desertas, com trechos onde no se via se quer uma pessoa transitando, Barretto encontrou embalagens industriais estrangeiras, algo que certamente no fazia parte do lixo produzido pelos pescadores locais. Isso acabou levando o fotgrafo a considerar que o lixo estrangeiro encontrado na Costa dos Coqueiros poderia ter sido trazido por correntes martimas.
    As teorias de Fabiano foram confirmadas atravs de pesquisas junto com o oceangrafo Isaac Santos. "Os ventos alsios (de nordeste) e o padro de circulao superficial do oceano Atlntico Sul favorecem o transporte dos resduos flutuantes jogados no mar pelos navios para as praias brasileiras", explica o oceangrafo. Para afirmar as expectativas, em meio de tantas garrafas, foi encontrada uma carta escrita por um navegador italiano com coordenadas do local onde foi jogada no mar. A referncia indicava que foi jogada a 4 mil km da costa baiana, em um ponto prximo a ilha Santa Helena.
    Partindo destas evidncias e com o objetivo de denunciar o descaso das autoridades locais, e a irresponsabilidade dos navegantes, foi fundada a ONG Global Garbage - Praia Local Lixo Global. Hoje. Hoje Fabiano trabalha na Alemanha, com o apoio da fundao europia LightHouse, fazendo palestras nas empresas estrangeiras, fotografando os desrespeitos natureza e denunciando navios que despejam seus lixos no oceano. No Brasil, a Global Garbage atua em trs programas de ao: id Garbage, Onda Verde e Amigos do Lixo, que visam pesquisar, monitorar e combater o lixo global nas praias do Litoral Norte Baiano. Segundo Fabiano, o lixo global continua chegando em quantidades alarmantes nas praias de todo mundo. Na Costa dos Coqueiros, a poluio considerada gravssima por ser rea de grande reproduo de tartarugas marinhas. Isaac alerta que o impacto do lixo no ecossistema praieiro pode ser irreversvel e visto sob trs aspectos: prejuzos para a fauna, para os usurios de praia e para o turismo de municpios costeiros.
    Fabiano segue o projeto procurando conscientizar a populao local dos municpios do litoral norte e promovendo educao ambiental juntos com o setor pblico e privado.



    HBITOS EQUIVOCADOS PEM EM RISCO EQUILBRIO AMBIENTAL
    Por: Perla Ribeiro / Correio da Bahia
    No adianta deixar o carro em casa e ir ao supermercado encher as sacolas. A quantidade e a qualidade do que voc consome tambm pode ser um grande vilo para o meio ambiente. Muitas vezes, at mesmo aqueles que erguem a bandeira do ecologicamente correto podem contribuir para o impacto ambiental por desinformao. Afinal, quem vai desconfiar que h algum mal em levar para casa uma bandeja de isopor com saudveis tomates orgnicos? Para confeco daquela embalagem impecvel foi utilizado um derivado do petrleo, produto cuja queima responsvel pelo maior nvel de emisso de gs carbnico na atmosfera.
    O impacto no s na hora da produo, mas em toda a cadeia produtiva. Ele vai desde a extrao da matria-prima, passando pelo transporte, comercializao, uso, descarte e at mesmo a possvel reutilizao. Segundo especialistas, a forma que a humanidade vem consumindo os recursos naturais, tanto a matria-prima quanto o seu retorno na forma de resduo para o meio ambiente, est atingindo o limite. "Estamos degradando os recursos naturais muito alm da sua capacidade de recuperao", avalia o coordenador da rede Tecnologia Limpas (Teclim) e do programa de ps-graduao em produo limpa da Universidade Federal da Bahia, Asher Kiperstok.
    Segundo ele, a que surgem os sintomas das grandes doenas ambientais, entre elas, o aquecimento global. Um dos grandes problemas que as pessoas s conseguem atribuir os impactos ambientais a questes macros. Todos tm conscincia de que as grandes indstrias e a elevada quantidade de veculos nas ruas entram na lista dos viles do meio ambiente.
    Todos tambm ficam aterrorizados quando ouvem falar dos fucares, tornados, tsunamis, terremotos e demais catstrofes ambientais. Entretanto, na hora da ao, a paralisia impera. At mesmo mudanas no hbito do consumo podem fazer a diferena. Mas ainda so poucos os que compreendem que pequenas aes do dia-a-dia podem contribuir para minimizar os estragos que o homem causa ao meio ambiente.
    "No costumamos nos preocupar com os pequenos consumos do dia-a-dia. Quando comparado s outras espcies, o ser humano se diferencia porque j nasce com necessidades ilimitadas. este fator que entra em conflito com a natureza, caracterizada pelos recursos escassos", diz o gerente de investimento da E+CO Brasil e mestrando em Regulao da Indstria da Energia, Lucas Felix Neto.




www.naturezaviagens.com.br/  www.caravanaturismo.com.br  www.tecnografic.com.br/  www.recifesilk.com.br  
Copyright © 2018. André Maia. Todos os direitos reservados. Contatos: 81 988 345 712 \ 996 474 324
Criação e desenvolvimento: SER Digital