Vende-se

    Desmatamento de Florestas
    O desrespeito e a depredao da natureza provocam consequncias desastrosas.
    A destruio de florestas e o aquecimento global propiciam a propagao de doenas transmitidas por mosquitos, como a dengue e a malria.
    Ao invadir florestas o homem entrou em contato com vrus que no conhecia, como o HIV da aids, que espalhou-se pelo mundo a partir da caa de chimpanzs na selva africana.
    Na Europa, EUA e em vrias partes do mundo, florestas foram devastadas em nome do prprio progresso, para dar lugar a plantaes, pastos, cidades, indstrias, usinas, estradas, etc.
    Campeo absoluto de biodiversidade terrestre, o Brasil rene quase 12% de toda a vida natural do planeta. Concentra 55 mil espcies de plantas superiores (22% de todas as que existem no mundo), muitas delas endmicas (s existem no pas e em nenhum outro lugar); 524 espcies de mamferos; mais de 3 mil espcies de peixes de gua doce; entre 10 e 15 milhes de insetos (a grande maioria ainda por ser descrita); e mais de 70 espcies de psitacdeos: araras, papagaios e periquitos. (Conservation International)

    Quatro dos biomas mais ricos do planeta esto no Brasil: Mata Atlntica, Cerrado, Amaznia e Pantanal. Infelizmente, correm srios riscos. A Mata Atlntica se desenvolve ao longo da costa brasileira, do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte. Ela guarda cerca de 7% de sua extenso original e o Cerrado possui apenas 20% de sua rea ainda intocados. Estas duas reas so consideradas hotspots, isto , reas prioritrias para conservao, de rica biodiversidade e ameaada no mais alto grau. A implantao de corredores de biodiversidade a principal estratgia empregada pela ONG CI-Brasil para direcionar as aes de conservao nos Hotspots e nas Grandes Regies Naturais.
    Nascentes de guas que abastecem vrios estados brasileiros esto na Na Mata Atlntica.
    O Cerrado abriga a mais rica savana do mundo, com grande biodiversidade, e recursos hdricos valiosos para o Brasil. Nas suas chapadas esto as nascentes dos principais rios das bacias Amaznica, do Prata e do So Francisco.
    O Brasil abriga os biomas (comunidades biolgicas) Amaznia, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Mata Atlntica, Pampa (Campos Sulinos) e Costeiros, 49 ecorregies, j classificadas, e incalculveis ecossistemas.
    Consulte http://www.ibama.gov.br/ecossistemas/home.htm .
    No mundo inteiro, cerca de 13 milhes de hectares de florestas so perdidos todos os anos, principalmente na Amrica do Sul e frica. O Brasil foi o pas onde mais se devastaram florestas entre 2000 e 2005. (FAO)
    A Amaznia :
    - a maior floresta tropical do planeta.
    - Estende-se por uma rea de 6,4 milhes de quilmetros quadrados na Amrica do Sul.
    - 63% no Brasil e o restante esto distribudos no Peru, Colmbia, Bolvia, Venezuela, Guiana, Suriname, Equador e Guiana Francesa.
    - Abrange os estados do Acre, Amap, Amazonas, Mato Grosso, Par, Rondnia, Roraima, Tocantins e grande parte do Maranho. - A Amaznia Legal correspondente a cerca de 61% do territrio brasileiro (5.217.423 km2).
    - Tem 20 milhes de habitantes (IBGE, 2000) e baixa densidade demogrfica.
    - Guarda cerca de um quinto das reservas de gua doce do mundo.O Rio Amazonas o maior do mundo em volume de gua.
    - Megabiodiversidade : rica em espcies vegetais e animais.
    - A floresta absorve carbono diminuindo as consequncias das mudanas climticas globais.
    - Enorme potencial de plantas a serem descobertas para uso farmacutico, cosmtico, qumico, alimentar, etc.

    Ameaas : grilagem (posse ilegal de terras mediante documentos falsos), desmatamentos, queimadas, madeireiras predatrias, expanso da fronteira pecuria e agrcola (soja principalmente no Mato Grosso), fiscalizao insuficiente, impunidade, caa e pesca sem controle, contrabando de animais. A floresta vulnervel aos efeitos do aquecimento global.
    OBS: Segundo o IBAMA, a fertilidade natural dos solos baixa. A floresta Amaznica um ecossistema auto-sustentvel. Ela se mantm com seus prprios nutrientes num ciclo permanente. Existe um delicado equilbrio nas relaes das populaes biolgicas que so sensveis a interferncias antrpicas. A Amaznia apresenta uma grande variedade de ecossistemas, dentre os quais se destacam: matas de terra firme, florestas inundadas, vrzeas, igaps, campos abertos e cerrados. Conseqentemente, a Amaznia abriga uma infinidade de espcies vegetais e animais: 1,5 milho de espcies vegetais catalogadas; trs mil espcies de peixes; 950 tipos de pssaros; e ainda insetos, rpteis, anfbios e mamferos...
    A destruio de florestas tropicais, alm de reduzir a biodiversidade do planeta, causa eroso dos solos, degrada reas de bacias hidrogrficas, libera gs carbnico para a atmosfera, causa desequilbrio social e ambiental. A reduo da umidade na Amaznia faz reduzir as chuvas na regio centro-sul brasileira.
    Em 2004, o setor madeireiro extraiu o equivalente a 6,2 milhes de rvores. Aps o processamento principalmente no Par, Mato Grosso e Rondnia, a madeira amaznica foi destinada tanto para o mercado domstico (64%) como para o externo (36%). O Par o principal produtor de madeira amaznica, representando 45% do total produzido e concentra 51% das empresas madeireiras.
    A industrializao ocorre ao longo dos principais eixos de transporte da Amaznia. Alguns dos graves problemas so o carter migratrio da indstria madeireira e o baixo ndice de manejo florestal. Madeireiros tem construdo milhares de quilmetros de estradas no-oficiais em terras pblicas facilitando a grilagem (IMAZON)
    A mdia de cobrana e pagamento efetivos das multas ambientais baixssima em toda a Amaznia.
    Entre 1990 e 2003 a taxa de crescimento da pecuria na Amaznia Legal cresceu 140%, passando de 26,6 cabeas de gado para 64 milhes de cabeas. A taxa mdia de crescimento foi 10 vezes maior do que no restante do pas, respondendo por 33% do rebanho nacional. O Mato Grosso, Par e Rondnia foram os principais produtores no perodo. Em 2000 a maior parte da carne produzida pelos frigorficos da Amaznia foi para o mercado nacional, principalmente Nordeste e Sudeste. O aumento da demanda de exportao crescente. (IMAZON)
    Segundo o Ministrio do Meio Ambiente (2007), 75% da rea desmatada na Amaznia ocupada pela pecuria. So 70 milhes de bovinos, e um tero est no Mato Grosso. A ocupao de quase uma cabea de gado por hectare.
    O Brasil o maior exportador mundial e o segundo maior consumidor de carne bovina.
    Pastagens degradadas tem sido convertidas em cultivos agrcolas. O pecuarista vende o pasto para o cultivo da soja e continua a desmatar.
    As bacias hidrogrficas de Mato Grosso j perderam de 32% a 43% de sua cobertura vegetal original (IMAZON e ICV, 2006).
    Os focos de queimadas podem ser acessados no endereo http://www.cptec.inpe.br/queimadas/. Resume as ltimas queimadas detectadas nas imagens mais recentes dos satlites. Os dados so atualizados vrias vezes por dia.
    No Brasil, a quase totalidade das queimadas causada pelo Homem, por razes muito variadas: limpeza de pastos, preparo de plantios, desmatamentos, disputas fundirias, vandalismo, colheita manual de cana-de-aucar (necessita mecanizao para evitar a queima), etc.
    No desmatamento ilegal, a queima descontrolada (sem barreiras que impedem a propagao do fogo) propicia condies para incndios florestais.
    Outras prticas irresponsveis : soltar bales, acender velas prximas a vegetao, jogar pontas de cigarros acesas nas margens das estradas, no apagar restos de fogueiras e a falta de cuidado ao lidar com fogo.
    A fumaa gerada pelas queimadas responsvel por milhares de internaes.
    O Departamento de Cincias Atmosfricas da USP constatou que a fuligem das queimadas na Amaznia levada pelo vento para o Centro-Sul do Pas e para o Oceano Atlntico.
    A diminuio dos ndices de desmatamento entre 2004 e 2006 foi reflexo dos esforos oficiais (como a criao de unidades de conservao e aumento da fiscalizao) e da recesso vivida pelo agronegcio no perodo.
    O Brasil reduziu o desmatamento da floresta amaznica em 19.000 km em 2005 e em um pouco mais de 13.000 km2 em 2006, segundo o INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

    O Inpe divulgou em agosto de 2008, os nmeros do desmatamento na Amaznia Legal, entre agosto de 2006 e agosto de 2007. A rea desmatada foi de 11.532 quilmetros quadrados, 18% por cento a menos do que o registrado nesse mesmo perodo, entre 2005 e 2006.
    A floresta j perdeu quase 20% do seu tamanho original - 700 mil quilmetros quadrados foram derrubados. (Imazon, 2007)

    Buscando reduzir os conflitos por terras e o desmatamento ilegal da Amaznia, o governo do Par criou sete unidades de conservao da floresta que formam uma das maiores reas de proteo ambiental do mundo com cerca de 15 milhes de hectares. Os respectivos decretos foram assinados em 04.12.2006.
    O que podemos fazer ?
    Denncias sobre agresses ao meio ambiente, como incndios florestais, podem ser feitas atravs da Linha Verde do IBAMA 0800-61-8080. Saiba mais no site www.ibama.gov.br/prevfogo .
    Ao comprar produtos florestais como madeira e papel, exija o selo Conselho de Manejo Florestal (FSC) para ter a garantia que eles provm de florestas manejadas de acordo com critrios rigorosos e no predatrios. O selo verde atesta o uso de tcnicas de corte que respeitam os ciclos de regenerao da mata. No site www.fsc.org.br encontra-se a lista com todas as empresas certificadas.
    Reduzir o consumo de carne em geral tambm ajuda no combate ao desmatamento. Isso porque muito da produo de soja utilizada como rao de animais, como aves e porcos. Alm de fazer bem sade, uma dieta com muitos vegetais a que menos causa impactos negativos ao meio ambiente. Ao comer menos carne vermelha, por exemplo, o cidado est contribuindo tambm no sentido de reduzir a necessidade de abertura de novas reas de pastagens. Alm disso, so economizados 20 mil litros de gua tratada envolvida na produo de cada quilo de carne bovina. (AKATU)

    Pergunte ao seu aougueiro ou ao supermercado de onde vem a carne que voc compra.
    Evite consumir produtos feitos com couro animal. Busque alternativas como o couro vegetal (ecolgico) feito a partir da extrao do ltex.
    Reduza o consumo de papel. Prefira papel reciclado.
    Elimine o desperdcio de alimentos para que a fronteira agrcola no avance ainda mais em direo s florestas nativas.
    Comerciantes no devem comprar madeira ilegal, sem o documento de origem florestal.
    Grande parte da madeira extrada ilegalmente vendida em lojas e depsitos de material de construo. Preste ateno na hora de construir ou reformar sua casa.
    S compre mveis durveis e conserve-os bem.
    No compre orqudeas, bromlias, xaxins e palmitos sem certificado de origem. So espcies ameaadas de extino e s podem ser vendidas se forem cultivadas com essa finalidade.
    O palmito Juara, encontrado na Mata Atlntica vem sendo explorado de forma predatria. A sua palmeira est em extino.
    Evite comprar palmito in natura, principalmente os vendidos na beira de estradas.
    Recuse palmito em conserva que no tenha registros do Ministrio da Sade ou do Ibama. No arrisque sua sade. O botulismo uma intoxicao alimentar provocada pela consumo de palmito produzido sem condies de higiene necessrias. Combata o palmito clandestino.
    O juara morre aps a extrao do palmito. A pupunha e o aa, originrios da Floresta Amaznica, se regeneram aps o corte.
    No compre imveis dentro de reas protegidas da Mata Atlntica.
    A sociedade civil organizada pode cobrar do governo a intensificao de esforos como por exemplo :
    - aumentar a verba para a fiscalizao da ocupao ilegal de terras (maiores investimentos para garantir uma presena mais efetiva na Amaznia : Ibama, Polcia Federal e Exrcito principalmente ao longo das estradas clandestinas e reas crticas detectadas por satlite);
    - combater a explorao predatria de madeira (punio dos infratores incluindo servidores corruptos, apreenso de equipamentos);
    - organizar o caos fundirio da regio e conciliar o desenvolvimento scio-econmico com a proteo do meio ambiente;
    - estancar o avano de novos pastos sobre as florestas da regio;
    - fiscalizar e exigir o respeito s leis florestais e a recomposio da vegetao nativa por quem desmatou indevidamente;
    - proteger os direitos e as terras dos ndios;
    - criar unidades de conservao principalmente onde h ameaa de expanso predatria.
    As Unidades de Conservao dividem-se em 2 grupos :
    - Unidades de Proteo Integral (Estao Ecolgica, Reserva Biolgica, Parque Nacional, Monumento Natural e
    Refgio de Vida Silvestre).
    - Unidades de Uso Sustentvel (rea de Proteo Ambiental, rea de Relevante Interesse Ecolgico, Floresta Nacional, Reserva Extrativista, Reserva de Fauna, Reserva de Desenvolvimento Sustentvel e Reserva Particular do Patrimnio Natural). IBAMA
    Projetos de desenvolvimento sustentvel so importantes para gerar emprego e renda para as comunidades que vivem na gigantesca rea da Amaznia. Respeitar o frgil equilbrio ecolgico da regio um pr-requisito fundamental.

    Comprar artesanato uma forma de o visitante colaborar com o povo da regio.
    O ecoturismo tem grande potencial de crescimento. Viajantes de todo mundo podem prestigiar esta atividade na Amaznia e em tantas outras regies de natureza exuberante em todo Brasil como Fernando de Noronha, Bonito, Pantanal, Cataratas do Iguau, Lenis Maranhenses, Jericoacoara, etc. Nas reas de florestas, verifique previamente se h necessidade de vacinao.
    Para saber mais sobre a Amaznia visite www.imazon.org.br . A misso do Imazon promover o desenvolvimento sustentvel na Amaznia por meio de estudos aplicados, apoio formulao de polticas pblicas, disseminao ampla de informaes e formao profissional. O site http://www.imazongeo.org.br fornece informaes sobre a situao, dinmica e presso sobre as florestas e reas Protegidas da regio.
    Remunerar a populao local para a preservao a proposta do bolsa floresta.

    A floresta em p ajuda a regular o clima, a temperatura, a umidade e as chuvas. Absorve gs carbnico da atmosfera prestando um enorme servio para o equilbrio climtico mundial que merece valorizao.
    Conservar a Amaznia preservar vidas vegetais, animais e humanas.



www.imparassessoria.com.br  www.naturezaviagens.com.br/  www.recifesilk.com.br  www.caravanaturismo.com.br  
Copyright © 2018. André Maia. Todos os direitos reservados. Contatos: 81 988 345 712 \ 996 474 324
Criação e desenvolvimento: SER Digital